quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Lourdes e o dogma da Imaculada Conceição

Beato Pio IX proclama o dogma da Imaculada Conceição. Franceso Podesti (1800–1895), Sala dell'Immacolata, Museos Vaticanos.
Beato Pio IX proclama o dogma da Imaculada Conceição.
Franceso Podesti (1800–1895), Sala dell'Immacolata, Museos Vaticanos.



Em 1854, pela Bula “Ineffabilis”, o grande Papa Pio IX definia como dogma a Imaculada Conceição de Nossa Senhora.

Ninguém sabia, mas esse solene acontecimento ia ficar indissoluvelmente ligado à aparição de Nossa Senhora em Lourdes.

Com efeito, em 1858, de 11 de fevereiro a 16 de julho, Nossa Senhora apareceu dezoito vezes, em Lourdes, a uma filha do povo, Bernadette Soubirous, declarando ser a Imaculada Conceição.

A partir dessa ocasião, tiveram início os milagres. E a grande maravilha de Lourdes começou a brilhar aos olhos de todo o mundo, até nossos dias.

O milagre confirmando o dogma: eis em resumo a relação entre o acontecimento de 1854 e o de 1858.

Ao definir o dogma da Imaculada Conceição, o Papa Pio IX despertou em todo o orbe civilizado repercussões ao mesmo tempo díspares e profundas.

De um lado, em grande parte dos fiéis, a definição do dogma suscitou um entusiasmo imenso.

quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Imagem de Nossa Senhora de Lourdes
intocada por incêndio numa base militar

Imagem de Nossa Senhora de Lourdes, inexplicavelmente intacta após incêndio na base militar de El Goloso, Madri.
Imagem de Nossa Senhora de Lourdes,
inexplicavelmente intacta após incêndio
na base militar de El Goloso, Madri.



Na base militar de El Goloso nas proximidades da capital espanhola, Madri, sede da brigada de Infantaria Blindada “Guadarrama”, se desatou um incêndio incontrolável que consumiu importante área verde, noticiaram diversos sites espanhóis como Infovaticana e Religión en Libertad

A vegetação ficou calcinada. Mas, para surpresa dos militares na superfície carbonizada se encontrou intacta uma imagem de Nossa Senhora de Lourdes.

A surpresa foi tanto maior quando os fardados descobriram que o gramado perto da imagem não foi atingido pelo fogo e que em volta da imagem havia uns vasos com flores, também incólumes, que ninguém sabia quem tinha posto.

O fato aconteceu no dia 30 de julho, em plena onda de calor que afligia Espanha.

Os militares não conseguiam explicar como foi possível que a imagem e as flores nada sofressem, nem mesmo um natural escurecimento e murchamento pelo calor.

O caso se espalhou pelas redes sociais e não faltou quem supusesse uma montagem. Porem, a investigação visando o esclarecimento revelou a improcedência da suspeita.

Nas fotos pode se apreciar que toda a terra está queimada com exceção das proximidades da imagem.

A bem dizer, a maioria dos soldados sequer sabia que havia uma estatueta da Virgem de Lourdes no jardim, malgrado eles fizessem rotineiras giros de vigilância.

quinta-feira, 6 de agosto de 2015

Triunfo de Nossa Senhora em Lourdes




Para a Igreja há três condições de florescimento tão essenciais, que se avantajam sobre todas as outras. Nunca será suficiente insistir sobre elas.

Antes de tudo, está a piedade eucarística. Nosso Senhor presente no Santíssimo Sacramento é o sol da Igreja. D’Ele nos vêm todas as graças. Mas estas graças têm que passar por Maria.

Pois é Ela a Medianeira universal, por cujo intermédio vamos a Jesus e Jesus vem a nós. A devoção mariana intensa, esclarecida, filial, é, portanto, a segunda condição para o florescimento da virtude.

Se Nosso Senhor está presente no Santíssimo Sacramento, mas não nos fala, sua voz se faz ouvir para nós através do Sumo Pontífice.

De onde a docilidade ao Sucessor de São Pedro ser o fruto próprio e lógico da devoção à Sagrada Eucaristia e a Nossa Senhora.

Quando, pois, florescem essas três devoções, cedo ou tarde a Igreja triunfa. E, a contrario sensu, quando elas estão em declínio, cedo ou tarde a civilização cristã decai.