quarta-feira, 29 de abril de 2015

O verdadeiro caminho de Lourdes: confiar, confiar, confiar na resignação ou na certeza do milagre que virá

Peregrinação de doentes a Lourdes organizada pela Ordem de Malta.
Peregrinação de doentes a Lourdes organizada pela Ordem de Malta.



Deus conduz as pessoas a Lourdes pelas vias mais diversas.

Pode ser que Ele queira um ato de confiança por parte do doente ou do necessitado de uma graça especial.

Então, é como se Ele lhe falasse no fundo da alma: “Eu de você quero que apesar de você esteja incurável, eu quero que você confie em que eu vou te curar.

“E você espere que apareça um dinheiro que você não tem para fazer a Lourdes uma viagem para a qual você não tem quem o leve, e que ali você se cure”.

Então, o doente deve confiar em que ele sarará em Lourdes.

E esse ato de confiança para ele é tão virtuoso quanto para outro pode ser confiar em que ainda que for não sarará, mas vai ir com a confiança inabalada em Nossa Senhora.

E nisso não há contradição, porque Deus quer das várias almas que Ele cria frutos de bom odor, mas odores diferentes.

Portanto, atos de confiança diferentes.

quarta-feira, 15 de abril de 2015

Em Lourdes, os milagres não cessam

Em Lourdes, os milagres não cessam
Em Lourdes, os milagres não cessam



A série de acompanhamentos científicos dos milagres ocorridos em Lourdes começou a bem mais de um século.

O intrincado, longo e exigente processo de comprovação dos mesmos em mais de 7.000 casos perfeitamente individualizados concluiu que a medicina não tem explicação, conferiu a Fundação Cari Filii.

Cabe à Igreja, e não à ciência, a declaração do milagre, pois é um posicionamento religioso.

O dossiê completo de cada caso medicamente inexplicável é encaminhado ao bispo da diocese do beneficiário da cura. O prelado é quem deve proceder a proclamar o milagre.

Porém, até a presente data, os bispos só reconheceram 69 casos como intervenções miraculosas de Deus.