quarta-feira, 30 de outubro de 2013

O último suspiro de Santa Bernadette

Santa Bernadette: corpo incorruto em Nevers
Santa Bernadette: corpo incorruto em Nevers
A noite de 15 a 16 de abril de 1879 foi a última de Santa Bernadette neste vale de lágrimas. Ela tinha 35 anos de idade.

Por volta das 11 horas da manhã ela quis se levantar. As religiosas a colocaram sobre uma poltrona.

Nessa hora ela ouviu o sino chamando as freiras para o almoço e pediu-lhes perdão por fazê-las atrasar.

Ela olhava sempre para um crucifixo fixado na parede.

Entre meio-dia e uma hora ela tentou comer alguma coisa, mas não conseguiu.

“Seu estado de extrema debilidade me impressionou... Eu achei que era meu dever alertar a enfermeira e chamar a comunidade” – disse a Madre Josefina Forestier.

O Pe. Febre veio logo, confessou-a de novo e recitou com ela a Oração dos Agonizantes. Ela respondia “com uma voz débil, mas clara”.

O sacerdote lembrou-lhe as palavras bíblicas do “esposo divino”:

— “Cola-me como um selo sobre teu coração” (Cântico 8,6).

Tomando o crucifixo ela o colocou sobre o coração, apertando-o com força. Como ela queria que o mesmo ficasse sempre nesse local, amarraram-no com uma fita para evitar que caísse devido aos movimentos involuntários causados pela dor.

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

Em Lourdes: duas atitudes da Providência diante do sofrimento humano

Nós vemos em Lourdes duas atitudes da Providência diante do sofrimento humano. E estas duas atitudes têm sua razão de ser, apesar de parecerem até contraditórias, dentro da perfeição dos planos divinos.

De um lado, o que mais chama atenção em Lourdes é Nossa Senhora que tem pena do sofrimento dos homens, atende aos rogos deles e pratica milagres para os livrar das dores que eles sofrem.

Vemos Nossa Senhora que tem pena das almas, e para provar que a Fé Católica é verdadeira, pratica milagres e opera conversões.

Mas, de outro lado, nós vemos em Lourdes outro aspecto. E são os inúmeros doentes que vão a Lourdes, e voltam sem ter sido curados.

Por quê razão Nossa Senhora opera a cura de uns e não opera a cura de outros? Qual é o mistério?

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Santa Bernadette diante do juiz

Santa Bernadette em foto de 18 outubro de 1864
Santa Bernadette em foto de 18 outubro de 1864
Pelo fim da tarde do mesmo dia (25-02-1858) em que Nossa Senhora apontou a fonte milagrosa, um policial se apresentou na masmorra onde morava a família Soubirous.

— O Senhor Procurador Imperial pede para Bernadette Soubirous apresentar-se agora à tarde às 18 horas.

Santa Bernadette foi com sua mãe que, inteiramente em prantos, pediu para ser acompanhada pelo primo Sajous.

O Procurador Imperial Vital Dutour morava a 300 metros da masmorra e logo foi pondo para fora o homem que vinha com as duas mulheres.

— Você é seu pai?

— Não, seu tio e dono da casa onde ela fica.

— Entrai, Bernadette e sua mãe. Você aguarda aqui!

E fechou a porta.

O interrogatório foi conduzido como fazem os delegados.

Bernadette não ficou intimidada pela função do Procurador, nem pelo aparato da Justiça.

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Lourdes: prêmio e confirmação do dogma definido por Pio IX


Um comentário que não se acostuma ouvir sobre Lourdes.

Todo mundo diz que a proclamação do dogma da Imaculada Conceição teve um duplo aspecto no espírito de Pio IX.

Em primeiro lugar, a afirmação de um dogma de grande importância para o progresso da mariologia dentro da Igreja.

Em segundo lugar, a afirmação desse dogma, primeiro como dogma, depois como dogma tão profundamente anti-igualitário que esmagaria o ceticismo do século.

E os milagres de Lourdes são de natureza a esmagar o ceticismo.

Eles vieram confirmando o dogma uma vez que Nossa Senhora declarou que Ela era a Imaculada Conceição.

É uma espécie de prêmio e de confirmação da veracidade do dogma definido.

Pio IX aí fez exatamente o contrário do que satisfazer a Revolução, fez exatamente o contrário de dar a carne para a fera.

quarta-feira, 2 de outubro de 2013

“Bernadette é doida!”
Como nasceu a fonte de Lourdes

A fonte da Gruta hoje
A fonte da Gruta hoje
No dia 25 de fevereiro de 1858 (novena aparição), havia por volta de 350 pessoas diante da Gruta.

Santa Bernadette começou a rezar o terço em êxtase, como de costume.

Depois ela foi subindo de joelhos até o fundo da Gruta. De tempos em tempos beijava o chão. Sua agilidade sem esforço era surpreendente, considerando-se que o local estava coberto de pedras.

Ela chegou até a abertura que comunica com o nicho da aparição e ali se deteve. Seus lábios mexeram, mas ninguém ouviu nada.

Depois fez o sinal de aquiescer e voltou-se, sempre de joelhos, em direção ao rio Gave. Porém, foi como se algo a tivesse detido. Voltou-se de novo para a Gruta e foi até o fundo, mas em sentido inverso ao nicho.